Definindo-se

Sou eu o... 
Ao Evangelho vim do pó sou e voltarei ao pó, pecador, filho bastardo de Deus (porém 'amado'); na experiência católica sou irmão espiritual de Santa Teresina, São Domingos Sávio, consagrado a Virgem de Guadalupe pelas correntes do tratado de São Luís Maria Grignion de Montfort, coroinha diocesano, acólito franciscano, seminarista redentorista; no Zodíaco sou virginiano  com ascendência ariana  e lua escorpiana , no Candomblé sou de Oxalá velho, o Oxalufan (ranzinza) com Yemanjá (maternal); no eneagrama contemplo-me no eneatipo nove com outros mais; na universidade sou um amontoado de diplomas e certificados (papéis de parede), duas graduações e três pós-graduações, fui da filosofia conservadora e agora sou dito libertário socialista-comunista, de tomista à nietzscheano-marxista: esquizo-revolucionário crítico nas vias frankfurtianas; para o capitalismo sou mais um proletário-explorado, de office-boy à professor de ensino médio e universitário; nas ciências biológicas sou evolução, composto de carbono e células em vitalidade que entrará em decomposição em breve; para uns sensibilidade afetuosa, para outros oposição implicante; em alguns padrões sou sucesso, em outros decepção; bixa, gay, transviado, ilegal, anormal... Para alguns o uso do corpo: libido, sexo, abraços, cafuné, diversão... Para outros o uso da mente: conselhos, aulas, palestras, poemas, crônicas, orientações, correções textuais, terapias, diversão... Já fui chamado por diversos adjetivos que vagam na fugacidade de maninho, filhinho, priminho, amorzinho, Ith, Itinho, alemão, Muh até demônio. Para uns presente, para outros passado e para muitos indiferença. Então, complexo de identidades sempre intensas e profundas! Sempre uma interpretação sua. Fluxos, mudanças e dialéticas...

Entre as contradições das representações, máscaras e vivência: - - e para você: quem/como sou eu? 

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Questões respondidas sobre Platão - Por prof. Ítalo Silva

Questões respondidas sobre o Iluminismo