Olá Amigo;

Encontro você, meu amigo, não quero medir quem é o mais
cansado e quem é o mais sofrido.
Tenho minhas dores e meus desamores como chagas.
Arde em mim a ignorância de não abarcar a justiça desejada.
Grita em mim a desesperança e o orgulho de ser gente contemporânea. Alenta-me, meu amigo que se fez Deus assemelhando a nós.
Ensina-me o silêncio. Educa-me no falar.
Espera comigo na minha angustia, dai-me a paciência.
Brilha em mim a sua Eterna sabedoria.
Por que tudo que sei é passageiro, sou somente um amigo do saber.
Obrigado por ter caminhado comigo ate agora, e, por favor, “fique um pouco mais...”
Olho a longa e escura estrada à frente e sei que muito preciso aprender para caminhar feliz. Insisto, lapida esse homem ignorante, permaneça ao meu lado.
Sem ti nada posso meu amigo e Senhor...
Sou encantado com essa imagem.
Saudades dos momentos silenciosos  que passei diante desse Crucifixos nessa capela.
O momento já passou, fato, mas o saber daquelas noites não.
Desconfio que aprendi mais quando calei do que quando falei. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Questões respondidas sobre Platão - Por prof. Ítalo Silva

Explicação da minha tatuagem: Atomismo filosófico

Questões respondidas sobre o Iluminismo